O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Arquivo
Arquivo
janeiro 2019
D S T Q Q S S
« dez    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

“MOONLIGHT”

Moonlight

Moonlight

Nesta nova ordem mundial movida a ódio e segregação, eis que surge o filme “Moonlight”, de Barry Jenkins. É sobre tráfico de drogas ou consumo de crack? Um filme gay? Ou abordando questões raciais? Ou sobre um garoto (ou criança?) paupérrimo e negro (boa parte do filme), que chega à adolescência pressionado pelo tráfico de drogas? Levando sua mãe e sua casa a se integrarem à barra-pesada do bairro de Liberty City no venerado Estados Unidos de Miami. Procurando descobrir sua identidade na adolescência sujeita a constantes bullying até chegar no adulto americano negro, comum e excluído, aprisionado em seus sentimentos e imerso na incomunicabilidade e na falta de aceitação e afeto. O filme é para além da raça, de discutir gênero e classes sociais, por conseguir transpor para a tela angústias e aflições pelas quais passam muitas crianças e adolescentes, gays ou não, de forma realista, sensível e honesta. Ainda que seja lugar comum tamanho contexto descambar para a marginalidade, seja na realidade americana ou brasileira, é uma história de vida rara de se encontrar no cinema, sobretudo no hollywoodiano de “La la Land”. Ao formar um conjunto de fatos reais e tristes para costurar uma história simples, mas de temática altamente complexa, não para entender e sim para sentir, com um empurrãozinho do Caetano Veloso cantando “Cucurrucucu Paloma”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias