O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Arquivo
Arquivo
maio 2024
D S T Q Q S S
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  

CAPÍTULO 200 – SONHO

Eis que Allan Kardec nos apresenta uma versão do sonho completamente diferente de Freud.
Durante o sono, podem sobrevir ideias muito boas, até brilhantes, que vão sumindo, como que desaparecendo por entre os dedos, e apagadas da memória, apesar dos esforços incansáveis para não deixá-las escapar da mente. Mas, algumas vezes, o Espírito se lembra e as faz retornar como se fosse uma inspiração de momento. De onde vêm? Elas emanam da liberdade do Espírito, que procura quebrar esse encadeamento do corpo-Espírito, ainda que temporariamente, ao se aproveitar do sono ou mesmo de um estado apenas sonolento para se emancipar do corpo. Se o mergulho no sono for completo, vira um sonho, ao dispor de faculdades frequentemente supridas por conselhos que outros Espíritos dão – o intercâmbio espiritual não acessível ao nosso conhecimento. Quanto mais as forças vitais do corpo adormecem e se enfraquecem, mais o Espírito é livre para se liberar do corpo, mesmo que eventualmente. No sonho, você frequentemente revê amigos, pais e parentes, gente que pode lhe ser útil, até de outro país, ideias que surgem espontaneamente sem que consigamos explicá-las.
A ducentésima intervenção espiritual, em 6 de outubro de 2023, se iniciou com cânticos no intuito de abrir caminho para os espíritos curadores, prosseguindo com a leitura de “Vinha de Luz”, 108 (“Operemos em Cristo”), de Chico Xavier pelo Espírito Emmanuel, e estudo preliminar do capítulo 5 (“Bem-aventurados os aflitos”), itens 7 e 8 (“Causas Anteriores das Aflições”) do livro de Allan Kardec, “O Evangelho segundo o Espiritismo”.
O sonho ajuda a libertar seus anseios e a comunicação com outros espíritos, mas o homem nunca deve esquecer de que se encontra num plano inferior, ao qual está condicionado devido às suas imperfeições, e que depende dele não retornar a este mundo, desde que trabalhando por sua melhoria.
Quanto mais seja o possível, distribuamos o bem o quanto antes. Ignorando se colheremos flores ou frutos, se observado o imediatismo humano. Enquanto aguardarmos manifestações alheias de gratidão, somos suscetíveis de paralisar nossas próprias obrigações, desviando-nos para o terreno obscuro da maledicência ou do julgamento precipitado, da teimosia reiterada na malignidade, ou mesmo dar guarida aos espíritos arrependidos de reparar o mal que propagaram para tentar fazer o bem ou recomeçar sua tarefa, para não perder o fruto do seu trabalho a meio do caminho. São aflições que refletem expiações do passado que nos fustigam, bem como provações que nos preparam para o nosso futuro.
Portanto, a pluralidade das existências e a destinação da Terra como mundo expiatório vêm acudir o aparente absurdo que a dicotomia entre a felicidade e infelicidade apresenta, como forças contrárias e complementares, perante os bons e os maus, corroborando para viabilizar a maior criação de Deus – o sentido da vida.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Antonio Carlos Gaio
Categorias