O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Recentes
Arquivo
Arquivo
abril 2024
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

PAUSA

Manda a tradição judaica que toda sexta-feira à noite se inicie o Shabat, uma pausa ao final do ciclo semanal de produção, inspirado no descanso divino no sétimo dia da criação. Correspondente ao domingo dos cristãos. A pausa existe para resguardar a saúde de tudo que pulsa por criar, construir e estruturar. Pois se existe a noite para dar um tempo na vida, se até a morte é uma pausa para reencarnar em outra vida, o que custa você parar um pouco para repousar?
Impossível, o mundo virou um parque temático de shoppings, 24 horas não é mais uma carga horária suficiente para fazer tudo o que precisamos. Necessitamos de tempo para competir com o próximo, para estudar e preparar a estratégia, para apurar a forma física ao nível de um gladiador. Perde-se tempo na locomoção, falta tempo para abordar e conquistar quem você deseja, música, filmes e livros em penca te desorientam para consumi-los, solicita-se silêncio para saber onde e como aplicar seu dinheiro, proteger-se de investidas de políticos contra o seu bolso de rombos no orçamento que eles mesmos produziram, e reservar o seu tempo mais precioso para dar vazão à sua inventividade no kama sutra. Sem contar o lazer, que precisa alienar legal para nos livrar dessas aporrinhações.
Parar como? Se o verdadeiro desafio é o amor. As pessoas transformam a vida numa grande rotina e esquecem que o sexo não pode se desvincular do amor, xifópagos que são. Senão redunda em depressão, resultando em seres amorfos e assexuados.
Recorre-se ao culto e ao sermão para secar na fonte a depressão. O mundo está deprimido, não consegue parar, o futuro se confunde com o presente, a insônia é globalizada, o tempo se administra com agenda. Rabinos, aiatolás e bispos nos orientam a dedicar no dia de descanso uma maior atenção para si, aos seus e à sua família de amigos para matar o tempo e resgatar tradições milenares.
Não adianta, pois é na pausa que iremos passar a limpo o futuro do casamento, enquanto ainda se goza de seu tempo útil. Exercitando a sabedoria para investigar quando começou a terminar e se há clima para pintar um lance novo. Se divertir à vera num churrasco, com a cerveja geladinha liberando que saber demasiado é envelhecer precocemente, sem se preocupar se suas palavras são melhores que o silêncio. Pouco se aprende com a vitória, mas muito com a derrota. A longa viagem começa com um passo, mesmo que seja para terminar o dia com gosto de vazio. Um divertido que não é bom nem ruim.
Os apologistas da pausa querem sustar a reflexão, resvalando perigosamente para a preguiça, ao apregoar que a incapacidade de parar é uma forma de depressão. Mas parar como? Querem arrastá-lo para o ócio e apagar sua chama criativa, enquadrando-o, para começar, no dia de descanso. Seu movimento incomoda por ser intermitente e visionário, querem interrompê-lo a todo custo e atraí-lo para a boca do leão. Por que parou? Parou por quê? Se outras pessoas incitam a não desistir nunca de lutar, mesmo nos dias de descanso, carecas de saber que haverá sempre um espírito de porco a pretender tirá-lo do caminho. Mais difícil do que iniciar um processo do nada é se compenetrar do compromisso que assumiu. São letras vencidas irresgatáveis.
Conflito entre devagar se vai ao longe e devagar quase parando. Consumimos 75% de nosso tempo em como nos realizarmos no amor. Em evitar frustrações. Estando dentro ou fora de um relacionamento. Adequando a novas realidades. Sem pausa. Sem margem para descanso, pois a depressão está na margem de erro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Antonio Carlos Gaio
Categorias