O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Recentes
Arquivo
Arquivo
agosto 2019
D S T Q Q S S
« jul    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

“TIO BOONMEE, QUE PODE RECORDAR SUAS VIDAS PASSADAS”

Tio Boonmee, que pode se recordar das suas vidas passadas

Tio Boonmee, que pode se recordar das suas vidas passadas

O filme é de autor. Do diretor Apichatpong Weerasethakul e oriundo da Tailândia. O melhor filme do Festival de Cannes de 2010. Curioso, esquisito e estranho, cujo ambiente predominante de florestas e a excelência do som captado nos perturba. Não por recordar vidas passadas ou pela presença de espíritos circulando ao assobio dos ventos. Ou o espírito se materializar e até nos ajudar a morrer. Conduzindo para desencarnar numa imensa caverna que nos transporta para outro mundo, sem o menor efeito especial ou de computação gráfica. Pedra para tudo quanto é lado, embora seja uma Casa na qual não entramos sem sermos convocados. Para nascer ou para morrer. O que deixa a plateia tensa e temerosa com o seu destino na melhor cena do filme. Embora os zumbis peludos sejam ridículos e não cheguem a dar medo, mas servem para informar que podemos voltar encarnados em macacos ou em peixes que copulam com princesas mal-amadas, dentro de uma visão holística que remonta aos tempos em que o homem asiático era nômade e vivia em harmonia com a Natureza, tendo que pedir perdão se viesse a matar insetos. Muito distante da visão cristã do homem ser o centro do Universo. Rodado de acordo com uma narrativa serena e de planos longos, o filme se torna monótono e sem sentido quando não conseguimos entender o budismo entranhado no filme. Seria mais um filme espírita, se não fosse budista xiita na linha do budismo tibetano dos dalai-lamas, antes de serem invadidos pela China.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias