O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Recentes
Arquivo
Arquivo
agosto 2022
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

ABRIR OU FECHAR?

Conservar-se vivo dentro de seu próprio mundo e de costas para qualquer coisa que venha de fora. Abrir e fechar, ou seja, fechar quando se alcança um grau de poder de se dar ao luxo de escolher o destino que rege sua conduta, sem que ninguém dê palpite sobre o que há por ser feito, sem precisar de quaisquer agentes externos para dirigir ou suprir sua vida, e se considerar o centro do mundo. E abrir, quando se chega à conclusão tardia de que fechar questão é um grande equívoco, ignorando que está para nascer quem possa prescindir da livre negociação de comprar e vender idéias. Se o que eu tenho é o que você precisa, a troca não garante a satisfação, mas cria a ilusão de valer a pena arriscar de novo, uma promiscuidade que vicia e exige exame periódico da virtude e da ética, de modo a não permitir que a luz do sol o cegue. O caráter moral demanda esculpi-lo sob a ação do tempo, viver fechado poria fim à própria existência.
Eis o dilema hamletiano: abrir ou fechar? Se traçarmos um paralelo com nossas vidas particulares, ora a gente deseja se manter em casa, resguardado por uma mata cerrada, no tempo das cavernas como um eremita, sem absolutamente ninguém incomodar, não sujeito ou disponível a ser invadido por questionamentos, convites pueris e esbarrões fortuitos. Você sente que não captam o sentido de suas palavras, forçoso um basta para saber o que há por detrás do murmúrio e por baixo do pano. Porque estamos em litígio com o oriente próximo, médio e extremo – onde o sol nasce.
Ora a gente precisa pôr violetas na janela, se abrir como uma flor em botão, ver o que há de novo, sair da toca, correr atrás, participar. Desabotoar a camisa, mostrar-se expansivo e abrir o peito, para tornar a se envolver e trocar juras de amor, fazendo as pazes com os ilustres desconhecidos que elegeu como bodes expiatórios. Nessas ocasiões, embora não peça para ser convidado, implora para que alguém o acompanhe, pois não sabe fazer mais nada sozinho.
É de bom alvitre que estejamos antenados para acolher estímulos que vêm do céu, pois é aqui na terra que essa energia se materializa e cria, valendo-se de tendências mutantes que ressoam além do eco, já que tudo se desenvolve, ramifica e se consolida na busca do paraíso etéreo, robustecendo tanto que pode passar do ponto e cair na rigidez que acarreta o inevitável declínio.
Se tentarmos ir num pé e voltar no outro, encontraremos a chave que correlaciona o movimento de abre-e-fecha com mudança e permanência, respectivamente. A pedrinha no sapato te obriga a se mexer, a tirar o rabo do assento, a mudar para onde todos apontam em contrário, e acreditar no sonho do vagabundo chapliniano. A busca pela permanência é uma questão de ordem da espiritualidade, pois os grãos de areia escoam pela ampulheta enquanto o gênio da lâmpada mantém-se vivo engarrafado, a postos para realizar seus desejos, se estiver familiarizado e à vontade com os espíritos que aqui permanecem e nos volteiam.
Ninguém contesta que abrir só faz sentido se for para mudar, bem como fechar se relaciona a querer manter-se a todo custo onde se encontra, agarrado ao exército da salvação, permanecendo inflexível no posicionamento. Mas permanência não é só apego desusado ou disfarçado, traduz também seu espírito no construir de uma vida terrena em torno de crenças e ideologias a favor de mudanças. Nem abrir representa instabilidade porque brotado do espontâneo, justamente quando o que deseja é abrir a mente na maior boa-fé, sem reservas. Nem representa convite à invasão, sujeita a litígio por fronteiras sempre difíceis de serem demarcadas, tais quais separar ficção de realidade, joio do trigo, goiabada do queijo, joão de maria.
Em se plantando tudo nasce, cresce, dá frutos, a natureza seca, inunda, destrói, transforma em pó o que o homem plantou, e o desafia a plantar de novo. São partes de um todo que podem se encaixar no eixo do movimento entre dois pólos: mudança versus permanência.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias