O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Arquivo
Arquivo
junho 2021
D S T Q Q S S
« Maio    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

AZEDINHA-DOCE

Ela sempre foi doce
E era como se fosse
Obrigatório continuar sendo.
O problema é que havia problemas
Enquanto ela ia vivendo,
Então azedava,
Dava um gosto ruim na boca.

Chamavam-na de louca,
Destemperada.
Olha que coisa engraçada:
Justo quando mais tinha tempero!
Pimenta-malagueta
Que ardia só com o cheiro.

Quem a provava assim
Tinha medo de engolir até o fim
E não entendia nada
Quando ressurgia adocicada.

Ela sempre foi doce.
Ele não sabia?

O fato é que os outros (des)gostos
Lhes faziam companhia.
Às vezes, se afundava no mar
E ficava tão salgada
Que era difícil de tragar.

Mas eles queriam mais
E terminavam sempre com sede
Quando caíam em sua rede.

Ela sempre foi doce.
Eles não sabiam?

Um dia ela ingeriu
Do próprio veneno.
Percebeu que o que vinha de fora
Era café pequeno.
Precisava se cuidar,
Prestar atenção ao que comia.

Ela sempre foi doce.
Ela não sabia?

Hoje, carrega uma horta inteira
Dentro de si
E continua a ouvir
Que só pode ter um sabor.
Ela não se importa
Seja com quem for.

Se eles têm paladar pobre,
Mal têm olfato
E carecem de tato,
Não é problema dela
Que sente o cheiro de longe,
Até do outro lado da tela.

A doce pimenta salgada
É todo dia regada
Com muito amor!
E esteja sozinha ou não
Nunca mais se azedou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias