O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Arquivo
Arquivo
agosto 2022
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

DINAMARCA, A CHARGE

Não se pode explorar Maomé em charges ou sátiras.
Não se pode fazer alusão à poligamia no islamismo.
Não se pode abolir a burka de sua ideologia, o véu é a fronteira entre Ocidente e Oriente.
Não se pode falar mal de casamentos arranjados.
Não há porque contestar a democracia incipiente em países árabes.
Paranóia pura pensar que a Índia abandonou o controle da natalidade para se juntar aos muçulmanos e povoarem o mundo com sua cultura. Um desafio flagrante contra os cristãos broxas.
Só porque os cristãos não levam mais a religião ao pé da letra e deixaram de acreditar na superioridade de sua fé, não é preciso estripar ou empalar o ateu.
O mundo ficou globalizado demais para se atear fogo nele, mas falta oportunidade de emprego nos poços de petróleo árabes, enquanto a Europa fecha as portas para a imigração ordenada por Alá.
Nem Napoleão teria a idéia de declarar guerra à Dinamarca. Se já houve algo de podre, os nórdicos transformaram em conserva e os turistas apreciam bastante. Do espírito viking, o único caráter ainda remanescente é o amor livre, muito usado para tirar dúvidas entre frieza, frigidez e frieira.
Depois de Osama bin Laden e o 11 de setembro, está em curso a demonização dos muçulmanos. A aura de vítimas das perseguições não se encaixa mais nos judeus, pois quem mal consegue se movimentar nos guetos são os palestinos. Se consideram marcados como alvo do próximo Holocausto. Chocados com o culto à liberdade da expressão em contraste com o desrespeito à sua religião.
A charge, como arte, jamais foi um gênero de humor leve. Ninguém gosta de se ver retratado despido de disfarces. Revela o felino que habita o macaco de quem descendemos.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias