O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Recentes
Arquivo
Arquivo
janeiro 2022
D S T Q Q S S
« dez    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

HOMEM INDIGNADO COM O ESPÍRITO DA MORTE

É preciso retirar o suicídio da lista de tabus para debatê-lo sem medo e com profundidade. Ao sepultar o suicida sem submetê-lo à autópsia para não se imiscuir muito na causa mortis. Hoje rapidamente se providencia a cremação para não vir à tona se havia algum problema de saúde insanável. De que adianta investigar os motivos que levaram o suicida a se retirar da vida se ele já está morto e não cabe à justiça terrena julgá-lo? Nem procurar um defensor que justifique o gesto dos que entregaram os pontos e perderam essa grande oportunidade que é viver, geralmente escondendo seus propósitos para ter desistido. Raros são os que anunciam com antecedência, tamanha a convulsão em seu estado de espírito.
Alguns vão deixando pegadas à medida que se aproximam de seu destino irreversível, como Walmor Chagas, quando se refugiou num sítio a 60 km de Guaratinguetá (São Paulo). Não gostava de depender de ninguém. Manifestou o desejo de partir mais cedo se o seu estado de saúde se mostrasse precário. Não queria dar trabalho a quem quer que seja. Hipertenso, foi perdendo o gosto por comer e emagrecendo sensivelmente em pouco tempo, alegando problemas no estômago que dificultavam a alimentação. Reclamando da catarata que o impedia de ler – sua grande paixão. Nada que não pudesse tratar ou ser mais comedido na escolha do cardápio. Dizia que só pode ser louco quem acha que a velhice é a melhor idade. Acabara de escrever a peça “O Homem Indignado”, na qual o personagem se suicida com uma espingarda.
Walmor Chagas se suicidou aos 82 anos com um tiro de revólver na cabeça. Preferiu morrer antes de ser homenageado com o maior prêmio do teatro pelo conjunto da obra ao longo de 64 anos. Um ator que fazia qualquer papel pequeno parecer grande. De ironia fina, culto, inteligente, o homem indignado era o tamanho de seu caráter.
O homem que desde cedo se desvinculou de Deus, tinha no teatro sua religião. Era nos palcos o terreiro em que seu santo baixava – sua magia aflorava. Preferiu sair de cena consumido por um fastio da mediocridade geral que campeia aqui e acolá, julgando-se vítima da superficialidade da dramaturgia televisiva que invadia o teatro brasileiro, e que teria roubado seu espaço na cenografia clássica e ajudado a ceifar sua vida. Não aceitou o tempo rodar e lhe apresentar outra realidade.
Imaginava fazer prevalecer seu ponto de vista intelectual a respeito de nossa existência, por ser razoável e lógico, embora sabedor de que não adiantava tentar conversar com a Morte, negociar outros termos de vida ou protelar a grande viagem. Não há a menor possibilidade de acordo para desviar a Morte de sua incumbência. A entidade não hesita nem tergiversa sobre a remoção, mesmo porque não opera sob a ação do relógio, diante da irrelevância do tempo. A Morte não é o carrasco que veio para puni-lo por seus maus atos, tirando sua vida. Isso será tratado posteriormente, se for o caso. Apenas se encerrou seu tempo de vida útil, quando não terá mais oportunidade de realizar o que não foi capaz, negligenciou ou tão somente desperdiçou as inúmeras chances que se lhe apareceram.
O filme “Sétimo Selo”, do sueco Ingmar Bergman, consagra o medo insano da Morte, um tormento sem par, um sofrimento sem paralelo. Seja relacionado à peste, como no filme, à uma pandemia, ao fim do mundo, ou simplesmente acerca do estado de miserabilidade que o ser humano pode atingir e que o transporta a uma dolorosa angústia pela falta de respostas. Quando não é ateu, se perguntando: como Deus, um Ser infinitamente belo e perfeito, permite tanto sofrimento até alcançarmos as fraldas do sopé da Morte? Seria, então, o homem o grande responsável por seu apocalipse final? Seja pelo temor de que o mundo pode acabar de uma hora para outra ou de que ele seja dizimado gradualmente por alguma enfermidade cujo grau de evolução e extensão é desconhecido pela Ciência.
No “Sétimo Selo”, o homem se depara com a personificação da Morte, aceita-a como um visitante esperado, mas lhe propõe uma negociação durante uma disputa de xadrez, para que possa ganhar tempo e indagar sobre o sentido da vida. Abre-se uma via à frente da Morte que vai dar no horizonte para espiar o que há por trás da aflição, que avança ganhando relevo ao se refletir não ter por onde escapar a esse destino. Ao final do filme, evidencia-se que, com a Morte, ninguém está autorizado a trapacear.
Deus tem até muita paciência com alguns que se fazem de desentendidos, fingindo que apenas estão aqui de passagem, omitindo-se de suas obrigações morais para evoluir e crescer. Concede-lhes mais tempo para tentar se soerguer, chance que, se aproveitada, pode reverter na última hora um quadro que se tornou irremediavelmente crônico ao longo da vida. Para tanto, é preciso muita fé e humildade, do contrário, os suicidas e desgostosos partirão com amargor e em estado desesperador.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias