O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Arquivo
Arquivo
março 2021
D S T Q Q S S
« fev    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

OS 300 PICARETAS VOTARAM NO CENTRÃO

Os 302 votos em favor do alagoano Arthur Lira para presidir a Câmara de Deputados confirmam os 300 picaretas que Lula, em 1993, cognominou a mesma Casa, segundo sua experiência como deputado federal constituinte. Quanto pior, melhor pra essa gentalha, que adora se servir de um governo fraco, sem rumo e homicida, à mercê de um impeachment, tal como o bando do Bolsonaro. É a forma de eles achacarem mais, tomarem mais, tirarem mais dele, aprovando suas emendas corruptas. O chamado presidencialismo de coalizão. Para governar, os presidentes se entregam aos partidos, cedendo ministérios, cargos, sinecuras, prestígio, o que gera uma cadeia de corrupção institucionalizada. Em campanha, Bolsonaro prometeu acabar com essa pouca vergonha, mas já se sabia que era tudo mentira – menos para o seu gado, que é maria vai com as outras -, pois sua origem e percurso como parlamentar foram sempre fiéis ao baixo clero e a suas pautas sórdidas, nos inúmeros partidos em que se filiou, cuja trajetória desenhou-se como de uma podridão só. O Centrão é lobby, é conchavo, é propina, verbas preferenciais, variações de um samba de uma nota só. Parabéns, corruptos, vocês venceram outra vez! Nesta oportunidade, com um plus, as Forças Armadas e o general Heleno abraçando o projeto do Centrão, para quem se orgulha de ter promovido uma ditadura militar honesta e torturas bem a caráter. O Congresso continua a serviço do Centrão, para roubar e voltar na próxima eleição, graças ao caráter do rebanho que não distingue mais o pobre do rico, quem lhe quer bem do chicote, Deus do diabo. Nenhum presidente venceu até hoje esse câncer em nossas instituições. Caso contrário, não governa. Bolsonaro, que se julga malandro e espertalhão, dá como certo sua imunização quanto ao vírus do impeachment, garantido pelos doutores em politicagem. Salvo se aparecer uma nova cepa, algo corriqueiro na democracia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias