O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Arquivo
Arquivo
agosto 2022
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

SILÊNCIO

Há um se no silêncio
talvez sim, ou não,
uma promessa no ar
um vão.
É no silêncio
que grita mais alto
nossa escuridão.
Há um sim, eu penso,
porque no silêncio
há vento, há pausa
e também confusão.
Há um se no silêncio.
Há um barulho que soa
uma voz que destoa.
Nenhum silêncio é à toa.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

SILÊNCIO

Monstros pré-históricos se transformaram em dragões, leões, cobras e águias, depois elevados à condição de antepassados, por encarnação do instinto sexual e do gosto pela vida. Por essa época, inexistia a individualidade, não havia a menor condição de sentir medo pelo que era, você se via através do outro. Ser considerado ou ser submetido era o que em carne e osso confirmava que nós existimos.
Posteriormente, é que surgiu essa coisa de solidão, de que não há coisa melhor do que falar consigo mesmo só para desafogar as mágoas e atenuar a dor. Você é como eu, não pode suportar a solidão, também precisa achar alguém com quem conversar, para se assegurar de que não vale a pena distinguir do que viveu, o que tem vivido de sonhos em suas lembranças e impressões, embora comiche a curiosidade de saber o que se passa na minha imaginação e o que rola de verdade na minha experiência, tendo como eco sua viagem interior.
Por mais que você guarde seu silêncio, é impossível dissociar-nos, apenas prejudica uma viagem espiritual, embora seu rosto continue uma fonte de ilusões. Também, de que vale nele buscar um significado a qualquer preço, se não é senão uma imagem fabricada pela livre associação de idéias, vagabundeando na memória, na vã tentativa de se resgatar uma imagem?
Menos mal que o universo gigantesco, onde tudo pode acontecer, gira em torno de você e eu, esse tal de “nós” é enganador, soa afetado e hipócrita no individualismo que nos concerne e nos norteia, obrigando-nos a ingerir chás amargos de plantas medicinais que ajudam a dissipar os efeitos de embrulhos que semelhantes nos causam. Por conta do silêncio.
Por conta do silêncio que atinge, maltrata e fere porque insinua a indiferença que faz crescer a cara de desprezo que açoita os inúmeros calcanhares-de-aquiles que dispomos para ensinar cuidado com o andor que o santo é de barro. Santos de pau oco que despem um santo para cobrir outro no maior silêncio, fingindo que nada acontece por acaso, duro mesmo é aceitar uma realidade que soterrou o passado, acostumados que estão a olhar para trás, tamanho o rabo que deixaram.
Se você se opõe às desigualdades sociais e às injustiças da Justiça, e perdeu a noção do absurdo quanto mais olha este mundo e a própria humanidade, é porque ainda não fez o que pensa ter feito, não é um cara para ser levado a sério, como apregoa sê-lo, perseguido pela má sorte e maquinações de gente malvada, como acredita que seja. As más línguas diriam que saiu do sério porque não consegue mais ser totalmente sério, embora se magoe e rompa as relações com quem tiver a audácia de revelar que não é mais verdadeiro.
Vai entender que não age mais com honradez e perdeu seu valor. Pelo singelo motivo de que não é mais totalmente feliz.
Nessa hora, o corpo tirita de frio e de medo de tanto querer, de poder voltar ao convívio dos seus, mas não acha mais ninguém. Assumir um novo amor antes mesmo de ter rompido com o precedente pressupõe uma porção ativa predominante sobre o passivo que nos mantêm na indecisão. Ou se domina o próprio destino ou é o destino que o domina. Ou se imola em paixões fugidias ou foge como o diabo da cruz e volta a si. Ou se concentra em matéria de amor ou fica sem saber o que amar. Ou se assume os riscos da ambição, a base do que vier a empreender, ou não se distingue dos outros.
Como o zé mané que vendia lápis gigantes de ônibus em ônibus. Quem irá comprar aquele trambolho no ônibus e levar para casa? Se ainda fosse na porta de escola, cujo senso crítico à criança não ofende, vá lá que seja. Só pode ser um carma escolher o lápis gigante como fonte de seu sustento. A comparação, se medida a proporção, fere suscetibilidades, que importa se quem procura o amor sem ter dinheiro, não acha o amor, ou se quem procura o dinheiro sem ter o amor, acha o amor”, arremata o chinês Nobel de literatura, Gao Xingjian, com a maior seriedade.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias