O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Arquivo
Arquivo
agosto 2022
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

TRABALHEMOS E NOS ENTENDAMOS SEMPRE

Quando Deus concebeu o mundo, dotou o homem da vontade de sempre almejar a liberdade para decidir a respeito de seu destino e arcar com a responsabilidade sobre seus atos, deixando-lhe o mérito da escolha entre o bem e o mal. E descobrir, por sua própria conta, o sentido da vida.
Meu pai já advertia em mensagem espírita enviada em 25 de junho de 1981: “Que ninguém por aí se julgue exonerado de trabalhar – e trabalhar laboriosamente – depois que se entrega o corpo ao almoxarifado da Natureza. O serviço é mais árduo, e quem tiver mais servido no mundo físico, maior adaptação sentirá por aqui, onde nos recondicionamos especialmente para sermos úteis aos corações que compartilham conosco a existência”.
Segundo ele, um grupo em ação espiritual de algum modo se assemelha a uma orquestra. Cada componente deve estar no lugar que lhe é próprio e assim a música se fará sentir e ouvir por toda parte. Ajudando uns aos outros é que atingiremos a harmonia ideal. A música é o elo que permite tolerar nossas diferenças, aparentemente incompatíveis. Quando isso também é a Caridade. Embora saibamos todos, aí e aqui, que, fora da Caridade, nossos problemas, por mínimos que sejam, não conseguem atingir a solução precisa. Portanto, trabalhemos e nos entendamos sempre.
O valor da prece falada está ligado à compreensão que as palavras tenham para quem as ouve, numa linguagem e conteúdo em que se possa mergulhar e entender, fazendo sentido ao Espírito que nos habita, desde que toquem o coração e transmitam uma ideia, não se julgando quites se apenas orar por dever ou hábito, repetindo uma simples fórmula um certo número de vezes nesta ou naquela ordem. Se orarem numa linguagem que não consegue alcançar ou se for mais sensível à maneira de rezar do que à essência da prece, sua inteligência não colherá o fruto.
Nós não somos edificados da mesma forma. Portanto, é preciso provar que estamos adaptados ao meio em que encarnamos. Sensíveis às orações e músicas que a orquestra executa para amainar as diferenças que nos separam. Vencendo o desafio de avançar e alargar as fronteiras do conhecimento. E parar de cultivar o ódio. Só assim se aprende a perdoar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias