O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Recentes
Arquivo
Arquivo
agosto 2022
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

A CULPA É DA POLTRONA

O episódio do World Trade Center deu novas cores à triste situação em que já se encontrava o passageiro ao embarcar num avião. Jumbos abatidos por confundir com o inimigo, explodidos por bombas no bagageiro à mercê de credos e ideologias fanáticas, seqüestros que visam a pô-lo no rumo certo, artistas bêbados no delírio do ego, psicopatas e maníacos, tabagistas em jornada contra a repressão e, o que é pior, não se pode mais fazer sexo no banheiro do avião para curtir o barato da Via Láctea num cubículo de causar inveja, um absurdo!
Quando se consegue alcançar o aeroporto a 50 km de seu doce lar, vencido o engarrafamento, não se consegue distingui-lo de uma rodoviária, nem passar incólume pela revista que o alinha, de princípio, ao Osama bin Laden, por causa da maldita tesoura de unha. Sem contar que é necessário guardar um semblante de muito siso e esconder o riso para não levantar suspeitas. Quando o policial compara seu rosto com o da fotografia do passaporte, dá vontade de confessar imediatamente sua culpa de ter nascido num mundo que finalmente desvendou a charada do recém-nascido chorar tanto quando emerge do útero ensangüentado. Bons tempos em que os prepostos da ditadura militar lhe inquiriam sobre quais são as suas intenções ao pretender visitar um país comunista!
Foi com esse estado de espírito que o assessor da Assembléia Nacional da França, Cyril Savtchenko Belsky, de pernas compridas, sentou-se na sua poltrona, irritado com a metragem quadrada reservada a cada passageiro com que as companhias aéreas nos enjaulam. O que obrigou o deputado Roberto Jefferson, da tropa de choque de Ciro, o Grande, a se submeter à cirurgia de encurtar o estômago para diminuir a pança e caber numa poltrona, sacrifício esse que Jô Soares dispensa ao comprar dois por um.
Torna-se cada vez mais freqüente o uso indiscriminado desses assentos como cama por preguiças em forma de gente que apagam com facilidade, faça chuva, faça sol, dia ou noite, o barulho do motor embala. Desesperando os insones preocupados com a dinâmica de nossa existência ao som de roncos profundos, melodiosos, babões, sujeitos a efeitos especiais que só denotam o ridículo de nossa aparência. O fato de traçar o jantar não lhe dá o direito de apertar o botão e arriar bruscamente a poltrona-leito sem sequer se importar com o passageiro que está atrás de você, esmagando copos, jogando ao chão restos de comida e te imprensando com o seu egoísmo. Isso quando não reclina logo ao entrar no avião, cai bem tomar um tranqüilizante e transferir suas neuroses individualistas para o banco de trás, transformando o avião em spa de relaxamento. Dá vontade de transformar a luzinha em cima do passageiro em holofote que dispare uma luzona na cara daquele infeliz.
Foi com esse estado de espírito que Cyril socou de volta a poltrona reclinada repentinamente pela produtora de modas Elenice. Mal podia adivinhar que ali iria começar seu inferno astral, os dois socos atingiram as costas e a imobilizaram por conta de uma lesão no pescoço. Para quem já tinha problemas de coluna, só faltava essa.
Há 10 anos, ela foi atingida por um saco de água de 20 litros quando descia de um ônibus em Copacabana, sofrendo um desvio de coluna e paralisia facial, tratado com morfina, cortisona e um colar ortopédico.
Olha o nível, Savtchenko Belsky, senão irão associar a cavalice aos seus ancestrais, como manda a boa regra do preconceito. Está em jogo o nosso nível de autocontrole no tocante à convivência com desiguais, de respeitar normas omissas quanto à nossa capacidade em criar problemas. A banalização em marcha confunde ser cavalheiro com ser cavaleiro, as mulheres se ressentem dos tempos bicudos em que se divide contas de restaurantes e se perde o romantismo com a saia justa dos direitos iguais, mal disfarçando a carência por recompensa para a sobrecarga e estresse das tarefas diárias.
Nada que surpreenda no terreno da aviação, a 10 mil metros de altitude, tão perto da estratosfera, equivale a se arrogar no direito de agir segundo seu instinto básico, gravado no DNA de civilizações cuja tecnologia não aprimora seu berço nem ao menos confere verniz.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias