O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Arquivo
Arquivo
agosto 2022
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

A ÓTICA DO CAPUZ

Perdemos a paciência, caminhamos para o mesmo descontrole de Bush ao ver as torres queimando, tragadas pela ira de Alá. Não é mais possível suportar exércitos de menores de idade a soldo do comando de gangues de narcotráfico lançarem coquetéis Molotov em ônibus apinhados de gente que se sacrifica para não aumentar o grau de endividamento. Se o cidadão comum já não é preparado para atirar em defesa de sua própria vida, imagine granada e metralhadora. Basta pôr o pé fora de casa para a vida não valer nem um centésimo do que ganham desembargadores com alvarás de soltura, senadores com grampos, fiscais que se tornam sócios do Tesouro Nacional, e governadores que afiançam, para combater a criminalidade, ser suficiente desinfetar palácios governamentais, encher-se de brios e praticar o que Deus escreveu por linhas tortas.
Fábulas de Esopo e La Fontaine não fazem parte do imaginário de traficantes. Eles não têm tempo a perder com histórias da carochinha nem com avós e pais otários não antenados com a realidade. É pra ontem gozar de um conforto que só os bacanas merecem. Não se trata de luxo, que requer refinamento, o reino do consumismo proporciona um leque de atrações insuperáveis para quem teve de dividir o lar com uma infinidade de parentes e agregados, aboletados em cima de um morro ou cercados por um chiqueiro que os isola da parte rentável da sociedade – o gueto.
É irreversível a sucessão de combates que se anuncia em virtude da disposição demonstrada em não abrir mão de explorar um negócio tão lucrativo e garantido. Vai que um dia os Estados Unidos descriminalizem o consumo de drogas, antes da meia-noite acompanhamos a linha de raciocínio e bau-bau! A fração politicamente correta da sociedade voa por cima da rede do tráfico e abocanha mais uma exemplar iniciativa do sistema capitalista ao endireitar seculares controvérsias sociais.
E aí os marginais teriam de descobrir qual o próximo vício do ser humano objeto de regateio, depois do tabaco, rapé, ópio, absinto, mescalina, maconha, haxixe, cocaína, heroína, LSD, o portal das drogas químicas. Não nos esqueçamos do grupo poderoso das bebidas que inventou a Lei Seca nos Estados Unidos e gerou gangsteres como Al Capone e milionários da cepa de Joseph Kennedy, cujo whisky contrabandeado fez nascer uma dinastia. A exemplo do petróleo, que não é droga mas mata pra caramba, se examinado com lupa os negócios que acasalam a família Bush aos xeiques da Arábia Saudita – uma dinastia.
Antes que se transforme numa epidemia, o remédio prescrito para eliminar essa escória da sociedade se encaminha para o extermínio. De culpados e inocentes, ou inocentes e culpados, qual a diferença? Se fosse para valer, o que não quer dizer que resolveria, implicaria na desabilitação da polícia, sem perder mais tempo, corrupta, em favor de um exército de elite inteligentemente treinado para dizimar o Eixo do Mal. Ocuparia o vácuo deixado pelas Forças Armadas, sem perder mais tempo, aposentados em seus afazeres domésticos alienados do quebra-pau, salvo quando o arsenal é assaltado. Implicaria também na ocupação dos morros e dos bolsões de miséria, onde eles se escondem e controlam o avanço do inimigo.
Em suma, uma matança generalizada em represália a bombas caseiras arremessadas em vidraças de milionários de Ipanema, emporcalhando a imagem de cordial que o carioca se orgulhava. Os brasileiros sempre enalteceram a diplomacia de evitar guerra, a última, diziam, foi contra o Paraguai. Sem se dar conta dos efeitos da repressão da ditadura militar para evitar a luta de classes e do conseqüente aprimoramento da intelligentsia na metodologia de proscritos e banidos, que, ao longo do tempo, desenvolveu uma urticária que pipocou no corpo todo.
É a síndrome da perseguição, o bacilo. Distante da paranóia, portanto. Quando resolvem parar de olhar para o seu umbigo e partir para a ação, sai de baixo. São anos de desconsideração, repúdio e rebaixamento, se tornaram perigosos, feras acuadas que não respeitam uma sociedade sem cidadania afundando num mar de lama, insuflando a fedentina emanada de uma convivência que se estreita e sufoca.
É um passo para elevá-los à categoria de monstros, a exigir que os vigiem individualmente, olho no olho, cela por cela, em presídios chamados de segurança máxima. Por homens encapuzados da elite da Polícia Militar. Para que suas famílias não sejam objeto de olho por olho, dente por dente.
Inverteu-se a ótica do capuz, quem não podia ser reconhecido era o bandido, não cabe ao Estado temer o bandido, o bandido é que tem que temer o Estado, afirmam as autoridades, “se alguém tiver que morrer, que morra”, “mata quem tiver que matar”, no despautério da exasperação ao não se agüentar o riso cínico de delinqüentes que sucateiam a justiça, fazem a polícia comer na palma de suas mãos e afrontam todas as classes sociais com um poder paralelo que passa por cima dos poderes legais constituídos, como se fosse um trator.
Iniciamos o século XXI desmoralizando por completo a questão dos direitos humanos, encontra-se um paralelo no desregramento de valores que campeia nos bastidores dos três poderes e na base da sociedade corroída paulatinamente por garotos, jovens, moços, homens que desistiram de trilhar o caminho recomendado em escolas e igrejas, no seio da família. A mesma dessintonia verificada na ordem econômica internacional em que os Estados Unidos alcançaram a hegemonia absoluta com a queda do comunismo e os muçulmanos se recusaram a incorporar o continente dos excluídos, ao lado dos africanos. Em ambos os casos, uma guerra suicida.
Resta saber o que Deus nos procura soprar nos ouvidos… por que criou um Brasil tão rico de terras, praias e natureza que matariam a fome e permitiriam comprar o tênis favorito de outros Brasis? Por que criou os desertos da Arábia Saudita, Iraque e Kuwait com um mar de petróleo no subsolo? O suficiente para fazer rodar a engrenagem que nos empurra pra frente, como o burro ao arado?

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias