O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Arquivo
Arquivo
agosto 2022
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

ANGÚSTIA

Estou com uma angústia no peito e ela tem seu nome. 
Eu não sei mais o que fazer. 
Queria te esquecer, mas não consigo 
e é por isso que não te digo tudo que sinto. 
Eu minto para não te perder. 
Aí vem alguém me dizer: 
“você não pode perder o que não tem”, 
mas dizer isso é fácil pra quem não sente. 
Quem ama pensa diferente. 
Se agarra a cada mínima esperança, 
a cada pequeno desejo correspondente. 
Quem ama não sabe recusar um convite pra cama. 
Quem ama faz loucuras que até Deus duvida. 
Quem ama perde o orgulho, muda de vida. 
Quem ama, sempre acredita. 
Mas quem ama também luta 
e eu não estou disposta a enfrentar essa disputa. 
Então eu não te amo, tá decidido assim. 
Mas ó, por favor: não olha mais pra mim, 
senão eu mudo de ideia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

ANGÚSTIA

Você se ilumina quando descobre que todas as respostas para suas angústias já estavam dentro de si. Concentramos muito tempo no passado ou no futuro, fazendo pouco contato com o presente, e o que é mais grave, de forma inconsciente. E cada ocasião perdida se acumula, pressionando nosso interior, deixando-nos insatisfeitos.
Angústia para o cristão deriva do pecado. Para a psicologia, decorre do conflito do homem consigo mesmo e com a sociedade. Para o budismo é um fato natural, oriundo de se estar vivo. Afinal, existem muitos sofrimentos: nascer, envelhecer, adoecer e morrer; separação dos entes queridos; divórcio; ser obrigado a permanecer em algo que se detesta; não obter o que se deseja; perder glórias e prazeres.
A origem do sofrimento é a ignorância de se considerar o centro do mundo, o escolhido para acontecer “certas coisas”. Ilusão de um “eu pequeno”. O sofrimento provém da necessidade de segurar todas as coisas do mundo, com apego, quando elas estão em constante mutação. O chamado estado de impermanência que Buda assim explica: “Todas as coisas surgem e vão embora”.
À medida que os infortúnios e as frustrações vão ocorrendo, a angústia vai ganhando corpo. Nos empurrando para a iminência de um abismo criado pela incerteza do futuro. Um passo mais nos fará cair no desassossego. Por desconhecermos nossa própria potencialidade. Ao iniciarmos a duvidar daqueles que nos cercam, precisamos de um espaço para começarmos a florescer. Querer agradar aos outros é uma tentativa. Criar e desfrutar de ilusões é outra tentativa no intuito de suportar um mundo que nos exige partir para a conquista de algo novo. Obrigando-nos a delimitar um objetivo. Fora daí você não tem salvação, a insatisfação sobrevirá. Já não somos os mesmos de ontem e não seremos os mesmos amanhã. Nada é permanente, e estamos em constante mutação. Nossa necessidade é imediata, não se pode esperar uma outra vida.
O mundo provém do pacto entre você se exercer no seu ser humano em que nasceu, ou não conseguir. Em constante estado de tensão que faz aflorar ora o firme, ora o maleável, numa alternância ininterrupta. Graças a uma lei de mutação que renova continuamente todas as coisas e torna o mundo tão sublime como no primeiro dia da criação, essa dualidade edifica tudo o que virá a existir de fato. Tal alternância noite e dia que implica na necessidade de troca, em vista que um não existe sem o outro, serve para explicar uma batelada infindável de fenômenos que cercam nossa existência, já que costumamos ver apenas o que temos diante dos olhos, acostumamos a nos livrar do último para colher o próximo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias