O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Recentes
Arquivo
Arquivo
dezembro 2019
D S T Q Q S S
« nov    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

“MADEMOISELLE PARADIS”

A pianista, cantora e compositora austríaca Maria Theresia Paradis (1759-1824), contemporânea de Mozart, perdeu a visão na infância e foi tratada em seus 18 anos pelo médico alemão Franz Mesmer, que acreditava haver uma força natural invisível possuída por todos os seres vivos (magnetismo), e que tal força poderia incluir propriedades de cura (veio a dar na autossugestão e com grande influência no espiritismo). A crítica caiu de pau na demasiada ênfase à reconstituição histórica e na fraqueza da cenografia e dos figurinos, argh! No filme “Mademoiselle Paradis”, dirigido por Barbara Albert, ela volta a enxergar, salvo se a claridade era excessiva ou quando a vista embaçava. No entanto, passou a ver coisas que lhe causavam repulsa e a pretender reformar a Natureza, a não aceitar o que a sociedade lhe impunha por meio dos tradicionais usos e costumes, e recusar-se a executar performances de acordo com o que a Corte exigia e sim segundo sua virtuosidade musical. Extrapolou tanto que Paradis foi removida dos cuidados a cargo de Mesmer, tornando à cegueira. De excelente memória e uma audição excepcionalmente precisa, ela foi capaz de aprender mais de 60 concertos, assim como um grande repertório de solo e obras religiosas. A opção no desenho do filme pela superação na fatalidade revelou ser mais importante do que suas peças musicais, a maioria, perdidas. Mademoiselle Paradis fez sucesso na Europa e criou sua própria escola de música para cegos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias