O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Arquivo
Arquivo
março 2024
D S T Q Q S S
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

MISSÃO: APRENDER

Falando sobre espiritualidade e filosofia em almoço com amigas queridas de infância, uma delas comentou, muito humildemente: “não sei qual é a minha missão nessa vida, mas às vezes suspeito que estou aqui para aprender.” Coincidentemente ou não, a autora desse comentário sempre foi uma excelente aluna. Do tipo CDF. Era uma das melhores alunas de nossa turma de colégio. O que faz todo o sentido; afinal, mesmo inconscientemente, ela sempre soube sua missão. Aliás, vou além: afirmo que ela sempre soube, com o coração, desvendar o mistério da vida humana na Terra. Por que estaríamos aqui senão para aprender? Alguns dirão: “estou aqui de passagem.” Outros ainda: “só quero ser feliz”. Mas o fato é que de passagem ou não, sendo feliz ou apenas tentando, invariavelmente estaremos aprendendo alguma coisa. A cada dia aprendemos pelo menos uma coisa nova.
A felicidade não se compra nem nasce com a gente. É preciso conquistá-la. E como chegamos lá, senão aprendendo o caminho? Se não aprendemos a nos conhecer, a conhecer os outros, o mundo e a vida como ela é, se não aprendemos a agir para conquistar todos aqueles sonhos que, juntos, se transformam na tal felicidade, como seremos felizes?
Isso me lembra o motivo de minha profunda irritação com quem se acha importante, intelectual, sabe tudo, superior ao resto do mundo por ter mais cultura, conhecimento e informação. Às vezes, aprendemos muito mais com um ignorante do que com um letrado. A alegria e surpresa do ignorante quando aprende uma lição é muito mais inteligente do que a postura arrogante do intelectual auto-suficiente. Quem se acha superior não desce do salto para enxergar as maravilhas que estão no andar de baixo. Quem acha que só tem a ensinar perde uma grande oportunidade de aprender. Sempre fui meio insegura, cheia de dúvidas, inconstâncias e incertezas. E, talvez por isso, já fui muito julgada. Fui apontada como inocente, criança, alienada, bobinha. Porque eu não tenho vergonha de mostrar o quanto ainda preciso aprender. O quanto da vida eu não sei. Não tenho vergonha de dizer: “não sei, não conheço, me ensina?” Pois agora posso finalmente afirmar, sem nenhuma dúvida. Se existe uma certeza em minha vida é essa: vim aqui para aprender. Deus me livre de me achar superior. O dia em que eu achar que sei tudo, que não tenho mais nada para aprender, estou pronta para morrer. E, sinceramente, espero que esse dia demore muito pra chegar!

Mariana Valle

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Antonio Carlos Gaio
Categorias