O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Recentes
Arquivo
Arquivo
junho 2020
D S T Q Q S S
« Maio    
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

“O OFICIAL E O ESPIÃO”

Há quem compare o novo filme de Roman Polanski com o linchamento virtual que ele tem sofrido mundo afora do movimento Me Too e congêneres por causa das acusações de estupro (pelo menos uma comprovada) que pesam sobre ele. O capitão do exército francês Alfred Dreyfus foi objeto de antissemitismo e vítima de uma condenação injusta, baseada em falsas provas ao ter passado segredos militares franceses aos alemães. Aborda o que estamos vendo à volta de nossa realidade: a cultura do ódio, a discriminação, a intolerância, perseguição, paranoia, a exaltação de valores morais conservadores, o patriotismo de araque e o governo agindo a serviço de seus próprios interesses. Polanski foi um judeu caçado durante a guerra pelos nazistas e um cineasta perseguido pelos stalinistas na Polônia. O cineasta de 86 anos, que realizou os clássicos “O bebê de Rosemary”, “Chinatown” e “O pianista”, emplacou um novo sucesso como o melhor diretor do César (Oscar francês) de 2020, além de melhor adaptação e figurino, ao mesmo tempo que feministas invadiam ou bloqueavam vários cinemas protestando contra a aclamação a “um abusador e estuprador em fuga”. O que está em foco é a obra de arte de Polanski e, sem dúvida, ele soube separar a obra dos problemas que estão desabando sobre sua cabeça. Se ele, como ser humano, deveria ceder sua cabeça à degola e sepultar o diretor de cinema, cuja carreira já equivale a uma das maiores da história da cinematografia, convenhamos, seria uma imolação ou suicídio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias