O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Recentes
Arquivo
Arquivo
dezembro 2019
D S T Q Q S S
« nov    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

BRASIL 4 X 3 PARAGUAI (NOS PÊNALTIS)

COPA AMÉRICA (QUARTAS) – 2019

Foi uma vitória sofrida com 8 chances reais para vencer o Paraguai, que jogou com 10 homens (expulso Balbuena) no 2º tempo, e decidida nos pênaltis. Muita dificuldade para fazer um mísero gol contra a eterna mediocridade do Paraguai diante do Brasil, que, na fase mata-mata, sempre procura levar a decisão para os pênaltis, jogando todo na defesa. O caráter dramático: seria a 3ª Copa América seguida em que eliminaria o Brasil, impedindo-o de prosseguir na disputa, se não tivesse perdido dois pênaltis nas cobranças, um defendido pelo Alisson e o outro chutado para fora, através de Derli González, o encarregado habitual de bater o último pênalti nesses tira-teimas.
Seria cruel o Brasil passar por esse vexame, mas quem disse que existe justiça no futebol? Que se expressa escrevendo certo por linhas tortas. Firmino também desperdiçou um pênalti, demonstrando ser limitado para o padrão de uma seleção Brasileira, e não é só por isso. Recai sobre Gabriel Jesus a mesma suspeita com sua usual fisionomia tristonha e, quando ele tenta explicar o que está havendo, confessa faltar confiança. Philippe Coutinho revela estar a léguas de distância de Neymar.
Menos mal que Cebolinha está salvando a fama da seleção canarinho e que Willian, em pouco tempo (substituiu o apagado Alan), calou a nossa boca com grande atuação (acusado de “seu tempo acabou”). Ambos tiveram a chance de serem os heróis do jogo, mas a sorte foi madrasta no tempo normal.
Contudo, o VAR continua a competir com o espetáculo, sendo que o problema não é dos juízes e sim dos procedimentos adotados pela Fifa. O juiz não apita mais com convicção, tem sempre que consultar o VAR, mesmo próximo do lance. 6 minutos para decidir sobre um pênalti contra o Paraguai no início do 2º tempo, aí incluído o intervalo para pensar se consulta o VAR ou não, afora a subjetividade que é exigida em jogadas difíceis de interpretar. Como não existe perfeição, o juiz pode interpretar o VAR de forma errônea ao mesmo tempo em que se flagra o público com cara de babaca dispondo de tantas imagens que seu olho nu não detecta. Um novo olhar sobre o futebol, completamente à mercê do VAR.
O Brasil vem sendo prejudicado pelo VAR. A olho nu teria levado de vencida Venezuela e Paraguai, com quem empatou de 0x0. Quem sabe se o VAR não resolve beneficiar o Brasil contra a Argentina nas semifinais?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias