O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Arquivo
Arquivo
janeiro 2019
D S T Q Q S S
« dez    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

CAPÍTULO 12 – A SÍNDROME DE TIME PEQUENO

Os vira-latas e antipachequinhos só viram defeitos na Seleção Brasileira, não notando a mesma deficiência que iguala Chile ao México – a síndrome de time pequeno. Fazem um gol e recuam, desinteressando-se por aumentar o placar. Ou, então, quando enfrentam o Brasil, não partem nem para ganhar, com medo do poderio ofensivo brasileiro, optando por acautelar-se ao temer que um tirambaço de Hulk sele o seu destino e apostando num gol fortuito. Por exemplo, no 2º tempo, o Chile podia ter se aproveitado da contusão do Neymar (que o apagou) e do seu domínio em campo, mas preferiu atacar somente com absoluta segurança, dormir na prorrogação e amarelar na decisão por pênaltis. Cuidado esse que México não observou, extremamente recuada diante de uma equipe como a Holanda que ataca muito e com Robben, especialmente manhoso e perigoso nessa Copa. Em suma, o Brasil pode até ser eliminado agora nas quartas de final; a Holanda, a queridinha dos vira-latas, quase foi mandada pra casa mais cedo; portanto, a Copa do Mundo não é mais objeto exclusivo de disputa das seleções tradicionalmente favoritas. Ingressaram na festa convidados que deixaram de ser trapalhões ou atrapalhados. Não é um nivelamento por baixo ou decadência dos grandes centros futebolísticos (com muito dinheiro gerando pouca qualidade) ou mesmo escassez de jogadores fora de série. É a vida, a natural evolução das coisas, – quem foi ao ar, vai perder o lugar.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias