O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Recentes
Arquivo
Arquivo
agosto 2020
D S T Q Q S S
« jul    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

FILHOS DE TORTURADORES ARGENTINOS QUEREM DENUNCIAR SEUS PRÓPRIOS PAIS

Os filhos de militares e torturadores argentinos decidiram se unir e tornar-se uma nova voz na luta pelos direitos humanos e contra os crimes de lesa-humanidade cometidos por seus pais durante a última ditadura de 1976 a 1983. Uma vida de sofrimento e solidão sendo tratados como ovelhas negras por suas famílias por terem ousado denunciar e repudiar a participação de seus pais na repressão a opositores do regime militar.

O grupo chamado de Histórias de Desobedientes se junta à luta de mais de quatro décadas das Abuelas de la Plaza Mayo, avós, mães e demais familiares das vítimas da ditadura, ou seja, vítimas de seus pais. Não é fácil aceitar e chegar a dizer “Meu pai foi um torturador. Cuidado, não são uns velhinhos bonzinhos que merecem ser perdoados. Nada disso. São genocidas”.

Os filhos desses torturadores não querem mais ser cúmplices de um pacto de silêncio, desejando colaborar com informações e depoimentos, principalmente pretendendo obrigar seus pais a dizerem tudo o que sabem. Não se pode guardar debaixo do tapete horrores como o do militar que anestesiava presos políticos para que eles fossem atirados ainda vivos ao mar, nos chamados voos da morte.

Alguns dos torturadores já admitiram para os filhos os crimes cometidos, outros não se arrependem de nada e até os ameaçam com mensagens no WhatsApp, quando não usam de violência dentro de casa. Muitos renegaram os pais a ponto de mudarem o sobrenome.

Está em jogo a lealdade a seus pais versus a lealdade à Humanidade. Construir um legado que querem deixar para seus filhos e gerações seguintes. Anseiam sair dessa mentira e ajudar a reconstruir a memória coletiva dos argentinos.

Como se pode constatar pela Argentina, a mentira faz mal à saúde do país. Menos no Brasil, onde todos os poderes constituídos habitualmente mentem à população, quando não guiados pela mídia. Onde o juiz Moro, condenando Lula à frente das pesquisas, deu início a afastá-lo da campanha para se eleger presidente, prestes a ser trancafiado sem provas. Onde se anistiou a ditadura militar e os torturadores ainda vivos continuam soltos e acobertados pela mesma índole e padrão de conduta predominante no país que fecha os olhos para as milícias e a Polícia Militar em conluio com os traficantes, quando o dinheiro não investido em educação redundaria em presídios superlotados, conforme advertira a lucidez e a visão do professor Darcy Ribeiro.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias