O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Recentes
Arquivo
Arquivo
abril 2024
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

QUARTA IDADE

Em virtude da expectativa de vida ter dobrado nos últimos 20 anos, a terceira idade não é mais senil, provecta e esclerosada, há que se criar um novo patamar em que a terceira cede à quarta a primazia de puxar o bloco dos idosos. Mesmo porque, no período quaternário, os vulcões se extinguem e não mais entram em erupção.
Cinqüentão já está ultrapassado, o budismo cataloga como terceira juventude a terceira idade, o que dizer do sessentão? Milton Nascimento nada tem a declarar, imerso por esses meses na TPS – tensão pré-sessenta -, prefere os discos voadores. O ufólogo decidiu por iniciar a compor depois de ter assistido “Jules et Jim”, o filme de Truffaut. Anos depois quase desmaiou no cinema em “Contatos Imediatos de Terceiro Grau”, Truffaut era o cientista que fez o primeiro contato com os extraterrestres.
Juntamente com Caetano Veloso, Gilberto Gil, Paulinho da Viola e Jorge Benjor, os tremendões do MPB nasceram depois do verão de 42 e realizaram o sonho de infância: fazer música e viver dos shows. Graças a vitalidade de sua poesia que arejou a tradição ao sair do abrigo e enfrentar o bombardeio estrangeiro, não divisam no horizonte a chegada da velhice. O melhor antídoto é aceitar a mudança dos tempos e integrar-se nela, sem apelar para a sessão nostalgia em que Nelson Rodrigues dissecava os bons tempos como se lavasse roupa suja na sala de visita.
O melhor a se fazer é limpar seu nome de porcarias, barafundas e falta de clareza em mensagens mal elaboradas ao longo do percurso, porque embaçou o mundo através de sua visão míope e ofuscou a visão que o mundo fantasia e se alimenta da gente.
No instante em que se coloca o pé na estrada no afã de alcançar mundos e fundos, fantasias se intrometem nos sonhos e deturpam o lirismo do onírico, atraindo-nos para a utopia dos projetos irrealizáveis, cuja ironia do destino é nos ensinar que devemos amadurecer, senão feio será o tombo.
Caetano pontua a irresponsabilidade que namorou a utopia dos anos 60, com a preocupação em ser indelével aos 60, através de um olhar retroativo que nos qualifica no bonde do otimismo, ao louvar a turma de 42: “Nascemos no ano em que Stefan Zweig se matou. Somos o contragesto desse gesto extremo. A contraprova de que o Brasil é o país do futuro”.
Verdade tropical à parte, a propósito, a partir de que idade mesmo se deve dar o vulcão como morto, hein? Pois não é que Seu Edivaldo se casou aos 85 anos com uma jovem de 62? Não titubeou em abandonar sua filha de 55 anos, que o tinha sob seus cuidados. Arrumou suas trouxas no Rio e foi preparar o café da manhã para servi-la na cama em aprazível cidade do interior mineiro, reconhecido por ela tê-lo escolhido como sua consorte em cartório, depois de gastar sua poupança em viagem de lua-de-mel à Europa. De navio, para ser mais exigido.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Antonio Carlos Gaio
Categorias