O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Recentes
Arquivo
Arquivo
novembro 2019
D S T Q Q S S
« out    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

SEM AMOR NÃO DARÁ CERTO

Não adiantam as carícias e o sexo intenso e à solta, se não houver amor. Não vai dar certo. Quem fala não é um jovem casal impregnado de utopia, num mero arroubo. Não se a iniciativa partiu da mulher e não do homem, como mandava a tradição, antes do empoderamento delas. Mas é ele que não abre mão do amor logo de saída, nadando contra a correnteza inflada por outros homens que se julgam detentores de expertise sobre o sexo feminino. Ele não compartilha desse desdém a respeito de mulheres, nem toma conhecimento.
Sem amor não dará certo é o único caminho para se estabelecer uma relação afetiva, independente de formar família e ter filhos, ou se preocupar com herança e legado, a manutenção do status quo na sua última palavra.
Desse modo, parece ingênuo, grávido de idealismo, arraigado a um Romeu e Julieta que se julgava ter sido despachado para outra órbita que não a solar. Só que você é livre, meu caro homem, para fazer essa opção pelo amor puro e simples sem que as famílias hoje possam te torpedear. Apenas a insegurança te detém diante do empoderamento da mulher e, nesse caso, tenderás a se acomodar sob as rédeas de um novo cocheiro. Salvo se mudar sua visão, abandonar sua escola clássica e aderir a mecanismos que desabilitem o que foi programado para sua existência, atualmente em completo desacordo com o mundo que despertou para incluir pencas de diversidade em reação a inconsistentes tentativas de estreitar o amor.
Sem amor não dará certo se também não houver espaço aberto à pluralidade de gêneros, todos poderem se exercer e serem aceitos, inclusive o casal heterossexual, outrora detentor do padrão considerado normal. Demovido de sua hegemônica situação e rebaixado por desonra moral ao faltar com o respeito, ele ir à cara de sua mulher, sem a menor consideração, chamá-la de loura burra, no passado, “a mulher gosta de apanhar” (Nelson Rodrigues), até chegar no feminicídio.
Por isso, estamos condenados a voltar às origens, a percorrer tudo de novo, a nos reinventar para não cometermos os mesmos erros em que não faltam avisos ao longo do que não vai dar certo, conforme a banda toca. Cedendo território e visibilidade para as diversidades poderem recriar um mundo a partir de modelos e experimentos que vão surgindo, e com menos restrições, limitações e intolerância, herança de papai e mamãe.
Há que se extrair o amor logo à primeira exploração, caso contrário não irá dar certo. A pureza do que está sendo colhido é a maior evidência. Vale ouro. Não há por que duvidar olhando à sua volta, os exemplos lá estão para testar sua autoconfiança no amor.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias