O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Recentes
Arquivo
Arquivo
setembro 2019
D S T Q Q S S
« ago    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930  

BRASIL 1×1 SUÍÇA

Depois da goleada surpreendente de 5×0 dos russos (ninguém esperava tanto) na abertura da Copa sobre o futebol sempre abaixo da crítica da Arábia Saudita. Depois do empate em 3×3 no melhor jogo da fase de classificação até domingo dia 17 de junho, com Cristiano Ronaldo assinalando 3 gols em atuação demolidora, que impediu a Espanha, melhor time, de levar a melhor sobre Portugal. Depois da Argentina empatar em 1×1 com a Islândia, a surpresa do certame, com Messi perdendo pênalti em sua quarta Copa sob a obrigação de ser campeão do mundo (só foi vice), e a defesa portenha a exibir gritantes e primárias falhas, tanto quanto a retaguarda espanhola, eis que veio o Brasil.

Para empatar mediocremente com a Suíça por 1×1. Nossos jogadores passaram a jogar em ritmo de treino a partir do golaço de Philippe Coutinho nos primeiros 15 minutos, ainda mais vindo de uma belíssima campanha nas eliminatórias, se esquecendo que também jogavam para não nos lembrar o fantasma da humilhação do 7×1 para a Alemanha. A Seleção Brasileira se desconcentrou com o treino, os suíços fizeram um gol (irregular, devia ter sido anulado) logo no início do 2º tempo, o suficiente para exibir todas as nossas falhas como o fraco lateral Danilo Silva, o limitado Firmino, o peixinho do Tite, Renato Augusto e o mesmo Paulinho de 2014. Assim, não iremos muito longe se Neymar não se recuperar a tempo para levar a equipe nas costas. Embora possamos lamentar o pênalti não marcado em Gabriel Jesus, as frequentes faltas em Neymar não coibidas pelo juiz mexicano César Ramos (esse não apita mais na Copa) e o enorme nº de gols perdidos nos últimos quinze minutos (no total, 8 chances reais), o que daria um resultado mais justo em favor do Brasil.

Mas foi melhor desse jeito com juiz roubando, pois só assim estrearemos na Copa do Mundo frente à Costa Rica e seremos obrigados a jogar sério também contra a Sérvia, a líder do grupo. Mas não jogando como se fosse uma pelada. O que nos fez ficar otimistas foi a forma organizada como o Tite armou a Seleção e as vitórias foram sendo conquistadas. Mas não o seu discurso místico, que só serve para vender TV.

Empate que soou como derrota devido às finalizações terem nos equiparado a um time sem experiência em Copa e precipitado, não podendo abusar da sorte, ainda mais no dia em que a Alemanha estreou na Copa com derrota para o México.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias