O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Arquivo
Arquivo
fevereiro 2020
D S T Q Q S S
« jan    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829

“JUDY – MUITO ALÉM DO ARCO-ÍRIS”

Só dá no filme de Ruppert Goold a atriz Renée Zellweger, que vem colecionando prêmio em cima de prêmio por sua interpretação como a cantora e artista do vaudeville Judy Garland, uma das principais estrelas da era de ouro de Hollywood dos filmes musicais. O filme concentra seu foco nos seus últimos anos de vida, quando, em 1968, aos 46 anos, quatro vezes divorciada, sem conseguir mais trabalho em Hollywood e vivendo de aparições em que lhe pagavam uma ninharia, aceitou fazer uma turnê em Londres e, em consequência, perder a guarda dos filhos. A famosa menina de “O Mágico de Oz” (1939) cresceu pressionada pelos executivos de cinema que, para acompanhar o ritmo frenético de fazer um filme atrás do outro e controlar seu peso, exigiam dela o consumo de anfetaminas bem como barbitúricos para dormir, o que a levou ao vício, contribuindo para sua morte. Carente afetiva, preocupada com sua aparência e atormentada por sua baixa autoestima, buscava compensar suas desilusões amorosas na dependência ao álcool. O filme não aborda suas tentativas de suicídio. Ah, e Renée Zellweger? Fez aulas de canto para alcançar o estilo vocal de Judy Garland, além de trabalhar a expressão corporal para conseguir sua postura curvada ao cantar. Não há como se prestar atenção em outros aspectos do filme, pois o martírio de Judy Garland impera sobre nossa vontade. Como é possível a gente se perder nos capítulos finais de nossa trajetória! Se é que a derrocada não começou no início de nossa jornada e nem nos apercebemos, mergulhados na luta para sobreviver.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias