O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Recentes
Arquivo
Arquivo
agosto 2022
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

PONTO DE PARTIDA

Quem habitualmente reclama e desfia lamúrias à custa de outrem, atrai o derrotismo, companheiro fiel e presente em todos os momentos. Esperar que os outros entendam o que você pretende ser na vida, colocando-se no centro do mundo, é exigência tola e infantil. As pessoas só irão notar que você existe quando procurar tornar concretas suas idéias. E idéias, inevitavelmente, seduzem esses deliciosos e incautos ingênuos que teimam em acreditar nos sonhos. Ou aborrecem os seres imersos em responsabilidades e deveres, que não têm tempo a perder com essas bobagens.
O que importa é seu espírito ter paz e conforto para gozar de boa saúde. A querer construir. Com vontade, força e fé. Pleno de criatividade e prazer. Caso contrário, a doença se instala muito antes do que a auto-suficiência e a petulância do homem permitam admitir.
O que não elimina a hipótese de, ao estar se deliciando sob a sombra de um coqueiro, com o vento a embalar os seus devaneios, repentinamente irromper uma dor que vai despertá-lo para uma realidade adormecida, da qual não tinha conhecimento, cuja finalidade seria demovê-lo do confortável coma na cama em que repousa, hibernado, para reiniciar a subir mais uns degraus dessa escada sem fim.
Que agonia descobrir onde começam e terminam os novos obstáculos postos no circuito e qual o seu significado! De nada adianta se exilar no Alasca ou na Finlândia se a família não arreda o pé das lembranças. Se a alma trôpega, indefesa e carente passar incólume é porque diminuiu a dor e evitou os males que, em verdade, consagram a vital inquietação deste planeta.
Por que nos encontramos combalidos, afetados pela brutalidade do real, detestando no que nos transformamos? A ponto de baquear e não mais lutar por algo que poderia redundar em sofrimento mas, por outro lado, no nascedouro de inúmeras razões para voltar a ser feliz. A insegurança é a tônica do mundo tecnológico de hoje, assumindo mil faces que nos aterrorizam e nos convertem em hipocondríacos à espreita de um mal fatal onipresente na sociedade.
Quem se põe a perder se condena ao abandono.
Neste exato momento é que dá vontade de transcender, despregar-se da matéria e libertar-se das amarras do estado de enfermo, ressentido com o trabalho duro necessário para sair do buraco em que nos metemos.
Para libertar-se desse condicionamento imposto pela sociedade, o homem tem que se transformar num viajante. A saltar de barco em barco, muito antes que comece a fazer água, até se encontrar, quando se liberta de sua alma anterior, inútil e pesada.
Não há mais como protelar. O cerco se estreita. Não há como apelar para a falta de coragem, após tantos altos e baixos. Se não ousar, restringe-se a capacidade de ser feliz. Ponto de partida para aceitar as perdas e não se revoltar contra o destino pelo que lhe reservou, em contraste insuportável com o idealizado.
Existe em cada um de nós um embrião de poder latente, uma condição microcósmica de uma espiritualidade maior que aguarda o momento de vir à tona para conquistar um terreno que clama por avanços antes que a terra o trague. O tempo de amadurecer e de se propagar deve chegar no momento oportuno, senão vêem, sondam, ouvem e não compreendem; se vivaz a luz, ofusca. Tudo que está oculto, um dia será descoberto, no tempo necessário de lhes preparar a aceitação.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias