O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Recentes
Arquivo
Arquivo
outubro 2019
D S T Q Q S S
« set    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

CAPÍTULO LXXV – MEU REINO NÃO É DESTE MUNDO: É O PLANO ESPIRITUAL

A primeira menção ao Plano Espiritual se deu quando, antes de ser crucificado, Jesus Cristo disse para o império romano e para o grande Sinédrio (a suprema corte judia legislativa, religiosa e judicial) que “o meu reino não é deste mundo; é nele que recebereis a recompensa das vossas boas obras”.
Cristo falava em sentido figurado quando mencionou “Meu reino não é deste mundo”, por se exercer unicamente sobre os corações puros e desinteressados, onde quer que domine o amor do bem. Se apegados aos bens da Terra e ávidos das coisas que daí decorrem, os homens dificilmente conseguirão ingressar neste reino. Antes, precisarão anular os efeitos viciantes desta encarnação para limpar o espírito e posicionar-se como outra entidade que nunca foi em matéria, oportunidade essa tristemente desperdiçada – que pecado!
A septuagésima segunda intervenção espiritual, em 1 de fevereiro de 2019, se iniciou com cânticos no intuito de abrir caminho para os espíritos curadores, prosseguindo com a leitura e comentários sobre os itens 5, 6 e 7 (“Quem é minha mãe e quem são meus irmãos?”) do capítulo 14 (“Honrai vosso pai e vossa mãe”) do livro de Allan Kardec, “O Evangelho segundo o Espiritismo”.
Causou estupor quando Jesus, cercado pelo povo, pareceu renegar sua mãe e ser indiferente aos seus irmãos, que O procuravam para Lhe falar, e Ele assim respondeu: “Quem é minha mãe e quem são meus irmãos?”. A impressão que deu é que perdera o juízo ao rejeitar a família, desrespeitando-a por completo para quem já declarara “Honrai vosso pai e vossa mãe”. Mas acrescentou, voltado para os que estavam sentados ao seu redor: “Eis aqui minha mãe e meus irmãos; pois quem quer que faça a vontade de Deus é meu irmão, minha irmã e minha mãe”.
O que deu margem a seus inimigos, os incrédulos, a usarem suas palavras como arma, explorando a suposta contradição com a sua inalterável bondade e benevolência para com todos, não podendo destruir de um lado o que tinha estabelecido do outro.
Muito embora seus irmãos consanguíneos nunca tivessem nutrido simpatia por Ele. Seus ensinamentos jamais os convenceram nem sequer compreenderam sua missão, tanto que nenhum deles, espíritos pouco avançados, se tornou seu discípulo. Mesmo porque O consideravam um estranho no ninho quando se apresentava em família, deixando-se levar pelo espírito preconcebido contra as revolucionárias concepções de Jesus Cristo. Quanto à sua mãe, a ternura e a atenção maternal, os sentimentos dominantes.
Uma história de família cuja magna mensagem de Jesus Cristo foi valorizar os laços a serem construídos em determinados aglomerados, comunidades, povoados, vilas, um processo sempre em expansão, em contraposição à primazia habitual que se confere aos laços consanguíneos.
Quer maior oportunidade como essa desperdiçada logo pela mãe e irmãos de Cristo? Por outro lado, Jesus não perdia uma chance sequer para deixar seu legado aqui na Terra, aproveitando, então, a chegada de sua família para estabelecer a diferença que existe entre parentesco corporal e parentesco espiritual.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias