O que está por detrás da notícia em rápidas palavras
  
  
Recentes
Arquivo
Arquivo
agosto 2022
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

PAPARAZZI

Da necessidade que o grand monde artístico, socialites e agregados têm de freqüentar a mídia, hoje mais poderosa que nos tempos do rádio, da imprensa escrita e falada e do celulóide. Na maioria dos casos para não dizer nada, passar um recado que só encanta tietes cuja baba bovina dá a medida do alcance de suas mensagens. E como demonstram estarem radiantes, de forma a provar que vivem num mundo de sonhos! Propaganda enganosa, apenas para se autodivulgarem, se exaltarem e conseguirem papéis ou colocações à sua altura. Como a necessidade faz o monge, exibem-se sem pudor em passarelas e palcos, parecendo muito naturais nos papéis que abraçam. Sob luzes que espoucam com o fulgor de estrelas, numa relação promíscua de estilos com o fotógrafo.
Não precisa se vestir que nem uma crente como a Rosinha, mas, sem calcinha, nem o Itamar resiste. Andar de coleira para tirar uma onda de que “sou escrava de meu amo que me sustenta e me ama”, para depois se declarar barriga em falso e separada do Romeu que caiu na falseta da Julieta, revigorando a sina das domésticas que não podiam ver fuzileiro naval, para ajoelhar pro santo e começar a rezar… ah, aí é bolinar a mídia! Configura um ato de provocação a fotógrafos que se esmeram em desvelar a face oculta de estrelas, no mister de saciar a fome do público em avançar na intimidade conquistada em telões e telinhas.
A overexposição mexe com a cabeça desses também artistas, anônimos atrás das câmeras, armados apenas de sua visão, com a mesma preocupação do chargista: enfocar o que dará manchete, sem censura, a perversidade em rodízio com a ternura, o repulsivo em contraste com o libidinoso, o garotinho que jamais irá crescer, coroas com suas ainda belas pernas a gozar com a 25ª hora da beleza, homens que acumulam filhos no casar e descasar cheios de amor para dar, jovens que pensam que o mundo começa a partir deles, as madrinhas de bateria… bem, é melhor cantar, “lá vai a bateria da Mocidade Independente, olha Mocidade, olha a Mocidade”.
Os paparazzi puseram fogo na vida de Lady Di, a plebéia azucrinou a corte, o Príncipe Charles preferiu tampax na essência do amor, a rainha Elizabeth se cala diante da Inglaterra que não é a mais mesma, pois se Hugh Grant é uma bichinha se comparado ao 007 e o Iraque propicia que o Reino Unido regrida à condição de pau-mandado dos Estados Unidos, ora, todo esse Lord save the Queen tem que ser documentado, a evolução da História ordena, para que outras gerações não duvidem dos castelos de papel e democracias de araque que legamos.
Longa vida aos fotógrafos que exploram a bunda de midiáticos, exibidas em desprezo a vaias cuspidas contra sua genialidade de bufão! Flagram o que o ser humano tem de pior – o ego -, ao não admitir serem clicados ao natural. Feios sem estarem produzidos, maquiados, portando a máscara. A máscara da arte que abusa da credulidade e nos faz sonhar até com o absurdo de uma realidade possível de ser alcançada.
A foto põe o rei nu, desestabilizando até intelectuais que pensam cultivar pérolas em suas ostras. Distingue o pavão misterioso daquele que adora vestir o manto sagrado de doutor honoris causa. Expõe às vísceras o presidente no deslumbre de andar embecado, com um terno bem cortado e cabelo escovado. O fotógrafo realça para nós comentarmos e, se for o caso, copiarmos.
O que mais atrapalha a vida da gente de fama, forçoso reconhecer, é que não podem beijar sossegados que lá está o fotógrafo. Quebrando a fantasia e deliciando a nossa, vai que é contrabando. E quando é gay ou lésbica, a curiosidade aumenta para se examinar quem está entregando o ouro. Além dos beijos serem mais calientes, não se bitocam, se devoram. A foto como testemunha do avanço das brigadas homossexuais.
Por tudo isso, não cabe encerrar os paparazzi numa câmara de tortura, por mais que haja filas gigantescas para fazer parte de uma lista de Schindler em busca da fama. A qualquer preço. Afinal, escândalos pipocam e há que quem queira pagar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

Categorias